22 de out de 2009

A língua que enrola a língua


Segundo a wikipedia:

O norreno ou norueguês antigo é o nome dado à língua que os colonizadores vikings falavam. Na Alta Idade Média ainda não havia uma diferença significativa entre as línguas faladas na Escandinávia, que eram naqueles tempos mutualmente inteligíveis.


O islandês é considerado a língua mais conservadora das línguas escandinavas e representa um caso único de continuidade lingüística. O isolamento geográfico, somado a altas taxas de alfabetização na ilha desde o século XIII contribuíram para a estabilidade do idioma. A variedade moderna do idioma reteve o sistema de casos original do nórdico antigo, herdado do Indo-europeu, e um vocabulário relativamente inalterado.

Há muitos séculos existe um movimento que zela pela "pureza" da língua e apresenta uma resistência aos empréstimos de palavras de outras línguas modernas. Quando um objeto novo é descoberto ou um novo conceito é criado, há um departamento na Universidade da Islândia em Reykjavík que se incumbe de criar um novo termo a partir do léxico já existente. Palavras como telefone, que em islandês é sími, uma antiga palavra islandesa para fio ou cabo; rádio: útvarp, computador: tölva e eletricidade: rafmagn (poder do âmbar) são exemplos desse movimento

O islandês moderno é o idioma mais conservador de todas as línguas escandinavas e pode-se datar seu início em 1540 com a tradução do Novo Testamento.
A língua normativa é uma continuação direta da língua dos antigos colonos, mostrando forte influência da língua do sudeste da Noruega; de fato, durante os primeiros 200 anos não havia diferenças marcantes entre o norueguês e o islandês. Os laços culturais entre as duas nações eram fortes até o século XIV, quando ocorreu a União de Kalmar entre Dinamarca, Noruega e Suécia, o que leva a separação entre Islândia e Noruega e os islandeses a traduzir a Bíblia e outras literaturas de cunho religioso para sua própria língua e os noruegueses a adotar o dinamarquês como língua oficial da Igreja.

O islandês é escrito utilizando-se o alfabeto romano, introduzido junto com o cristianismo por volta do ano 1000, acrescido de alguns símbolos próprios:ð (chamada eth, que é uma fricativa dental sonora [ð]), þ (thorn, que representa a fricativa dental surda [θ]) e æ (que representa o ditongo [ai]). O alfabeto islandês completo tem 32 letras. As vogais com acentos são consideradas letras separadas; assim, num dicionário austan vem antes de ábóti. O alfabeto completo é como segue:


A Á B D Ð E É F G H I Í J K L M N O Ó P R S T U Ú V X Y Ý Þ Æ Ö

O norreno era escrito até a cristianização utilizando-se o alfabeto rúnico, havendo daquela época algumas inscrições em pedras, túmulos e etc.

21 de out de 2009

O melhor hot dog é AQUI



O carrinho de cachorro quente mais famoso da Islândia é aqui em Reykjavik.

Desde 1937 Baejarins Bestu vende deliciosos hot dogs com opção de cebola crua, cebola caramelizada, mostarda suave, mostarda picante...huuumm

Carros param a todo momento. Os mais simples, os mais modernos, os mais poderosos. Turistas. Operários. Estudantes. Casais. Moços. Idosos. E não dá pra comer um só.

Eu provei. E aprovei.



18 de out de 2009

O Senhor dos Anéis e a Islândia...o que eles têm em comum?


Hidden People...Povo Invisível ou Povo Escondido... sim, eles habitam a Islândia. Ao perguntar a um Islandês se ele acreditava no Hidden People, ouvi uma estória, mais ou menos assim...

Há alguns anos atrás estavam construindo uma estrada. No meio do caminho tinha uma pedra...Imensa. Tentaram explodi-la e falhou. Tentaram empurrá-la e a máquina quebrou. Tentaram furá-la e não funcionou. Tentaram explodi-la novamente e ...falhou.
Nada dava certo. E a obra parada. Aí chamaram uma vidente. Ela chegou. Olhou. Fechou os olhos. Conversou com o ar. Ficou algumas horas assim. Então revelou a mensagem. Ali era uma casa de Hidden People. Sugeriu mudança no traçado da estrada. Aceitaram. Alteraram. A obra prosseguiu.

Ao final, o Islandês disse que respeitava, como todos no seu País, o Hidden People.

J.R. Tolkien inspirou-se no Hidden People e batizou com nomes Islandeses muitos personagens da trilogia do Senhor dos Anéis.